Compotas: não são todas iguais, conheça as diferenças entre elas


Marmeladas, compotas, xaropes, geleias, conservas. A família é a mesma, embora cada especialidade tenha os seus segredos e métodos próprios de produção. Fique a conhecer aqui.

transferir (2)

Marmeladas

Quando as conservas de fruta são reduzidas ao máximo grau de concentração, permitindo uma conservação bastante prolongada, são chamadas de “marmeladas”, independentemente do tipo de fruta utilizado. É essencial apenas que sejam frutos de sabor intenso e ricos em pectina. Há marmeladas de marmelo, cerejas, damascos, alperces, ameixas, framboesas, morangos, goiabas, maçãs, laranjas, pêssegos, limões, peras e até jasmim.

A marmelada é uma pasta fabricada com açúcar e polpa de fruta em partes iguais, sendo a mistura deixada a macerar por 12 a 24 horas.

Para confecionar a marmelada, a fruta deve estar perfeitamente madura, mas não tocada. Ainda em cru, há que tirar a pele e os caroços e cortar o fruto em pedaços. Depois de cozer ligeiramente, mexendo com a ajuda de uma colher de pau, é necessário coar e esmagar os pedaços de fruta numa peneira de arame, retirando desta forma todas as películas e filamentos. Em seguida, mistura-se igual quantidade (em peso) de calda de açúcar em ponto de pérola e leva-se novamente ao lume, até a calda adquirir o ponto necessário.

Sabe-se que a marmelada está pronta quando, ao deixar cair uma gota num prato, esta não corre. Outro método consiste em deixar cair um pouco num recipiente com água, sem que o doce perca a sua forma.

As marmeladas devem deixar-se arrefecer completamente nos recipientes onde vão ser servidos. Depois de frias, cobre-se a taça com um papel vegetal, recortado com a forma do recipiente, embebido em aguardente ou em espírito de vinho.

Conservas

As conservas são preparações feitas com a polpa das frutas e caldas, em que o grau de concentração não é muito forte.

Para fabricar conservas, a fruta deve ser de boa qualidade, ainda não completamente madura, e apresentar-se perfeito estado, sem manchas ou toques.

Os frutos de bagas devem ser bem limpos, retirando-lhes o pé e as folhas. Frutos como maçãs e peras devem ser descascados, cortados em quartos ou em fatias, retirando-lhes o coração. Frutos como pêssegos, alperces e similares são pelados e cortados ao meio, retirando-se o caroço. As ameixas podem ser conservadas por inteiro.

A primeira operação e a que exige maior cuidado é o branqueamento, isto é, o cozimento das frutas para as amolecer e decorar. Os pedaços de fruta são acondicionados em frascos e regados com um xarope; os frascos são fechados hermeticamente e levados a um banho-maria em lume muito brando.

Compotas

Toda a fruta cozida em calda recebe o nome de compota. O modo de fabricar as compotas é sempre igual, diferindo apenas na preparação da fruta.

Primeiro, lava-se e pela-se a fruta cuidadosamente com uma faca, de modo a não lhe prejudicar a forma. Mete-se a fruta em água fresca, abrindo-a sem a tocar para evitar que enegreça. Esta operação pode ser feita com a ajuda de um papel. A cozedura deve ser suave e respeitando escrupulosamente a quantidade de água indicada na receita. Junta-se o açúcar amornado no forno ou aquecido em calda, mexe-se e coloca-se novamente sobre o lume, até atingir o tempo necessário.

Há diversos frutos que se prestam a compotas, tais como o damasco, alperce, cereja, limões, maçãs, laranja, pera, peros, framboesas, morangos, castanhas, ginjas e pêssegos. Conhece-se também uma compota de batatas.

Geleias

As geleias são conservas fabricadas com o suco das frutas, cozidas em calda. Não devem ser açucaradas excessivamente, pois correm o risco de se tornar enjoativas. Devem ser transparentes e conservar um pouco de elasticidade. Quando fabricadas com frutos verdes ou vermelhos, deverão ser cozidas em fogo lento; quando utilizadas as frutas brancas, o fogo deve ser forte.

Xaropes

De preparação fácil os xaropes são feitos a partir dos sumos de fruta de bagas, como groselhas e morangos, sendo um boa forma de aproveitar frutos muito maduros. Os frutos devem ser bem lavados, escorridos e cozidos em lume brando, juntando um pouco de água à cozedura.

Os frutos são esmagados com uma colher de pau e levados novamente ao lume, fervendo-os durante um minuto. O sumo é então deixado a escorrer durante várias horas e coado por um pano. O produto daí resultante é deitado em garrafas esterilizadas, que são tapadas com molas ou rolhas de cortiça. Ao servir posteriormente, o xarope deve ser diluído na proporção de uma parte para cinco de água.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *